quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Vitamina D e sua Importância para o Organismo


A vitamina D é hoje tida como de extrema importância para o tratamento de muitas doenças, sendo a principal delas a osteoporose. A perda da densidade óssea é comum em detrimento do avançar da idade, principalmente na mulher após a menopausa, e muitos estudos hoje regem o tratamento da osteoporose como sendo multidisciplinar.

Os medicamentos mais utilizados para o tratamento e até mesmo para a prevenção da piora da osteoporose são os alendronatos, que fazem com que o cálcio da dieta seja absorvido de forma mais adequada pelo osso, evitando assim uma perda mais acentuada com a progressão da doença. Aliado a ele, o uso da vitamina D também ajuda muito nesta função, e a seguir fazemos algumas considerações importantes.


1. Como a vitamina D funciona no nosso organismo para prevenir doenças?
A vitamina D é essencial para a absorção de cálcio pelo intestino. A sua deficiência crônica pode reduzir o teor de cálcio no sangue e desencadear um aumento compensatório do PTH (hormônio paratireoideano). Isso pode levar ao aumento da função da paratireóide, causando o que se denomina hiperparatireoidismo secundário. Essa alteração hormonal vai fazer com que o organismo tire o cálcio dos ossos para colocá-lo na corrente sanguínea, e vai causar a perda de densidade óssea no futuro. A deficiência crônica de vitamina D também causa fraqueza muscular, o que junto com a perda óssea pode causar quedas e fraturas

2. Qual a dose diária recomendada de vitamina D?
Para a maioria dos pacientes o consumo diário recomendado por consensos médico é de 600UI a 800UI, mas quando o paciente tem deficiências crônicas conhecidas (como por exemplo quando apresentam índices de 25-OH vitamina D menores de 20ng/ml) os valores devem ser maiores do que estes (algumas vezes acima de 1000 UI por dia). Como suplementação alimentar não se recomenda ultrapassar a dose de 4.000 UI ao dia, por tempo crônico. Doses acima dessas somente devem ser consideradas quando o tratamento envolve a associação medicamentosa com outros produtos (vide abaixo) - estudos recentes já demonstraram segurança no uso de doses altas (acima de 100.000 UI a cada 4 meses por 5 anos não se mostraram inseguras).

3. Quais medicamentos estão disponíveis no mercado com essas doses recomendadas?
A vitamina D3 (colecalciferol) está disponível em associações com cálcio, na dose de 400UI ou 500UI por comprimido, ou em produtos isolados, na dose de 1000UI por comprimido. Também existe associação medicamentosa da vitamina D3 com alendronatos, em comprimidos que normalmente apresentam 70mg deste composto com 5600 UI de vitamina D3.

Fonte: Holick MF. Vitamin D deficiency. NEJM 2007, 357: 266-81 / Bischoff HA et al. Effects of vitamin D and calcium supplementation on falls: a randomized controlled trial. J Bone Miner Res 2003;18:: 343-351

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

A volta das dores que foram


“Milagre! A dor foi embora, você é o melhor fisioterapeuta do mundo. Posso trazer um bolinho de laranja no próximo atendimento?” Célebres palavras emocionantes que todo o emblemático fisioterapeuta já recebeu da querida paciente que já tem dor há 20 anos e que ainda acredita na paz mundial. Como tudo na vida é passageiro, o alívio da dor para as pessoas com dor crônica também é. Se consideramos a dor crônica como uma doença crônica, então teremos períodos com pouca dor ou sem dor (remissão) e períodos com bastante dor (recidiva). Mas acredito que isso é uma forma biomedica demais e que deve ser deixada de lado. A dor ir, vir, sumir, reaparecer depende de muitos fatores. Sempre comento do envolvimento dos fatores emocionais e comportamentais que podem piorar, manter e deixar a dor persistente. Quanto mais sensível estiver o sistema nervoso, mais fácil sentir dor.

Aliais, para os fisioterapeutas, já perceberam que é muito mais fácil sentir dor do que não sentir? Além da memória das experiências dolorosas que armazenamos em nosso HD Cerebral Sansung, existem muito mais mecanismos que favorem a ativação do que a inibição dos sistemas de dor do nosso corpo. Será a mãe natureza tão B! assim? Claro que não. Segundo a breguíssima frase “Escrito nas Estrelas” tudo tem um objetivo final. Então se é para a gente sentir dor é porque alguma coisa tem. Só não precisa acordar e ir dormir com dor.

As pessoas que de alguma forma ficaram marcadas pelas experiências dolorosas ruins, provavelmente terão dor para o resto da vida. Mas, assim como ir sempre no Hooters, podemos ter momentos de melhora e viver bem. Porém, não acreditem que uma dor de 20 anos irá embora em 1 semana, 1 mês ou 1 ano.

Quando que a dor pode voltar? De uma forma bem Fibra A alfa (grossa) podemos ter dor em muitas situações, ainda pior na dor crônica. Da mesma forma que precisamos da dor como alerta para ameaças de tsunami corporal não queremos que apareça no corpo e cause sofrimento e limitações. É meio que um paradoxo confuso e imagético, que faz as pessoas com dor crônica buscarem uma possível cura.

O exemplo mais comum é a dor lombar. Quem já teve dor lombar em algum momento da vida vai ter denovo, CQC. Muitas das vezes, em situações completamente diferentes. Num exemplo cotidiano, o estresse de uma mãe porque a filha adolescente revoltada saiu de casa a noite de mini saia pode ser suficiente para iniciar um quadro de dor. Estresse, raiva, irritação, ansiedade, medo irracional e evitação provocam dor. Já o conjunto de charminho, carência, grude, controle de gandaia e sentinela nas festas provocam término de namoro.

A maneira ideal de evitar a volta das dores que foram é identificar todas as situações, problemas, comportamentos, atitudes e coisas a mais responsáveis por provocar dor. Tratar é bom? Claro, mas ir no consultório apenas é enxugar gelo. Tem que participar da sua melhora.

Vida sem estresse é brigadeiro na veia. Confete e endorfina para todos.

FONTE: Dores Crônicas - Artur Padão Gosling

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Quais são as 10 profissões mais felizes e infelizes do mundo?


É, a foto acima já denuncia o primeiro lugar. Os profissionais mais felizes do mundo, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Chicago (EUA), são os membros do clero. Faz sentido, né? Taí uma profissão em que, se o pessoal fosse infeliz, ficaria feio.

Dá uma olhada no top 10.

1 – Clérigos
2 – Bombeiros
3 – Fisioterapeutas
4 – Escritores
5 – Professores de educação especial
6 – Professores
7 – Artistas
8 – Psicólogos
9 – Vendedores de serviços financeiros
10 – Engenheiros de operação

A maioria desses trabalhos se baseia em ajudar pessoas — é a isso que os pesquisadores creditam a boa colocação no ranking. Para outros, como escritores e artistas, parece que a autonomia e a liberdade de expressão são as responsáveis pela felicidade. Os vendedores de serviços financeiros, por sua vez, ganham comissões generosas, e os engenheiros de operação talvez se divirtam com brinquedões como escavadeiras e guindastes.

Como bônus, pega aí o top 10 das profissões mais infelizes do mundo, feito pelo site CareerBliss — elas, curiosamente, tendem a ser mais bem pagas do que as profissões listadas acima (e mais chatas também, impossível não dizer).

1 – Diretor de tecnologia da informação
2 – Diretor de vendas e marketing
3 – Gerente de produto
4 – Desenvolvedor web sênior
5 – Especialista técnico
6 – Técnico em eletrônica
7 – Secretário judicial
8 – Analista de suporte técnico
9 – Operador de CNC
10 – Gerente de marketing

E aí, se encontrou no meio de algum desses dois rankings?
(Vi lá no site da Forbes.)

Fonte: Revista Super

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

TENS dor?


Mais conhecido como “choquinho” ou “Tensis” para os íntimos, o TENS é uma ferramenta polêmica desde sua criação. Muito utilizada por fisioterapeutas, o TENS (Estimulação elétrica transcutânea) possui pouca evidência de ser um bom tratamento para dores crônicas de diversos tipos. Um trabalho recente pode ser conferido no blog do fisioterapeuta Lazaro Teixeira de Balneário Camboriú. Aliais, que praia hein?

http://www.fisioterapiaemevidencia.com/2010/01/tens-para-dor-de-origem-neurologica.html

Da mesma forma que todos eu me pergunto: porque “TENS” ainda o TENS para o tratamento de dores?

Da mesma forma que todos eu continuo me perguntando: porque mesmo sem efeitos na dor crônica o TENS ainda é usado no tratamento?

Se você é paciente, devia perguntar isso ao seu fisioterapeuta e reclamar com seu médico a indicação.

O TENS possui lindas explicações, porém com resultados fracos na prática.

TENS explicações? Sim. A corrente elétrica bloqueia os impulsos dolorosos na nossa medula. Porem, não funciona em todo mundo. Aliáis, quase não funciona na prática. Na dor crônica precisamos mudar o funcionamento do cérebro e o TENS não faz isso.

TENS certeza? Claro que não. Certeza só da nossa morte em algum momento e da ação da gravidade no corpo.

TENS dúvida? Eu também. Mas, os convênios adoram. É muito prático deixar 10 pacientes fazendo TENS e atender outros 10. Não é?

TENS problema? Sim. A maiora dos aparelhos são desregulados, quase nenhum paciente faz a dosagem correta, é usado de maneira indiscriminada, o efeito não é duradouro, possui grande efeito placebo. Quer que eu continue?

TENS melhor? Claro. Para a dor crônica, o exercício ganha de lavada.

TENS pior? Claro. Não fazer nada e esperar para ver o que acontece.

TENS solução? Hummmmmmmmmm. Fazer um bolo?

TENS dor? Não trate com TENS. Mas, alguns paciente ficam bem. Vai entender…

TENS necessidade de ser radical? Todos temos um dia de fúria. HÁ!

TENS um abraço? Claaaaaroooo!

 Abraços T…

Artur Padão Gosling – Pada

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Andador de Bebês, além de atrasar o desenvolvimento motor podem ser um risco para crianças


Eu acho que todo mundo conhece, ou até mesmo usou um andador infantil quando era criança. Estes andadores são muito populares aqui no Brasil, sendo que muitos pais adquirem este equipamento acreditando que ele oferece segurança e ajuda a criança a andar mais rápido. . . . Pois é galera, este é um belo exemplo de como as aparências enganam . . .


Logo de cara preciso avisar que não sou vendedor de brinquedos infantis, não faço consultas e nem avalio atraso motor pela internet. Esta é uma postagem direcionada a estudantes de fisioterapia e profissionais da saúde.

Como andadores infantis podem ser perigosos? 

Os andadores são projetados para oferecer mobilidade as crianças, e é justamente nesta mobilidade que mora o perigo. Um andador pode alcançar a velocidade de 1m/s (Lang-Runtz, 1983). dependendo da distância, esta velocidade é mais do que o suficiente para dificultar que um adulto a impeça de se aproximar demais de um degrau ou escada. Além disso, o fato dos andadores de bebê permitirem que as crianças fiquem “de pé”, aumenta o seu alcance o que lhes permite tocar objetos perigosos e puxar fios elétricos.

As lesões que podem ocorrer a partir do uso de andadores incluem ferimentos na cabeça e trauma no abdome ou membros devido as quedas. Lesões por impacto resultantes de crianças que puxam sobre si mesmas objetos pesados tais como ferros de passar, aparelhos de DVD, televisores e outros itens domésticos. O alcance pode também gerar um maior risco de asfixia devido à ingestão de pequenos objetos deixados sobre mesas de centro e demais mobiliários baixos.

VOCÊ SABIA?
A queda de escada com andadores infantis costumava ser a principal causa de lesões graves na cabeça de crianças menores de 2 anos no Canadá. Isso até o governo canadense banir este produto do país. Isso mesmo! Desde abril de 2004 é proibido importar, anunciar e vender andadores infantis no país.


FONTE: http://www.hc-sc.gc.ca/sr-sr/activ/consprod/baby-bebe-eng.php

De que forma os andadores atrapalham o desenvolvimento motor?


Bebês são curiosos por natureza e esta curiosidade é o que os motiva a se movimentar e explorar o ambiente ao redor. Ao longo do primeiro ano de vida este espírito explorador estimula o bebê a alcançar alguns dos principais marcos do desenvolvimento motor normal como se arrastar, rolar, engatinhar e finalmente andar. Como citado em uma postagem anterior, estas aquisições não se resumem apenas a postura. Ao engatinhar a criança desenvolve força nos abdominais e aprende a coordenar e transferir o peso corporal entre os membros de modo a conseguir se locomover. Ao sentar sem apoio, manipulando um brinquedo, desenvolve o equilíbrio de tronco e aperfeiçoa a bimanualidade. Existem alguns estudos que comprovam que crianças que utilizam demais o andador podem apresentar atraso no desenvolvimento motor. Embora eu não tenha encontrado nenhum modelo que explique a razão do atraso, um pequeno exercício de observação do movimento no andador pode explicar a razão deste atraso.

Vamos começar de baixo pra cima: Caso a criança seja pequena para o tamanho do andador, ela inevitavelmente irá se locomover utilizando a ponta dos pés, empurrando o chão para trás sem descarregar o peso sobre os MMII e sem experimentar o padrão de contração muscular de movimentos coordenados de joelho, tornozelo e quadril. Mesmo se o tamanho da criança for adequado, ainda assim ela vai andar com os joelhos dobrados, mais uma vez sem experimentar o padrão esperado de marcha para a idade.

A cadeirinha na qual a criança fica sentada no andador oferece estabilidade demais. Assim a criança não precisa se incomodar em manter o equilíbrio ao manusear um objeto ou se deslocar com o andador. Além disso, enquanto ela está no andador, ela não está exercitando o rolar, o engatinhar e nem estará tentando dar os primeiros passos por conta própria.

Felizmente este atraso motor não é preocupante. As crianças superam isso facilmente sem maiores problemas. Porém o grande problema é quando pais de crianças com disfunção neuromotora (mielomeningocele ou encefalopatia crônica, por exemplo) decidem usar o andador para “ajudar” com a fisioterapia de seus filhos e filhas. Neste caso teremos problemas de verdade, com a criança experimentando dois padrões de movimento completamente diferentes:

De um lado o/a fisioterapeuta tentando ensinar um padrão funcional de marcha enquanto do outro lado o andador reforçando um padrão inadequado, sendo que a luta fica ainda mais injusta se contabilizarmos as horas em que a criança permanece em fisioterapia e as horas que ela passa com o andador em casa.
E agora, o que fazer?

Bem galera, como pai sei muito bem que às vezes é um saco ficar tomando conta de crianças pequenas (e maiores também), mas não tem jeito. Se você quer zelar pela segurança então o negócio é investir em medidas de segurança, como protetores de tomada, portões pequenos para impedir o acesso a cozinha e escada, além de ficar de olho nos pequeninos. Se você quer estimular o desenvolvimento motor, não precisa comprar brinquedos caríssimos, basta passar mais tempo brincando com a criança.

Valeu Galera

Fonte: Humberto - O Guia do Fisioterapeuta

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Atividade Física: benefícios ou prejuízos?


Aceitar que a atividade física apresenta benefícios e riscos ajuda você chegar mais próximo dos grandes benefícios de uma atividade. Eu gostaria de dizer três coisas importantes e necessárias que nem todos dizem para você...

É muito claro que a atividade física apresenta efeitos positivos para prevenir complicações musculares e articulares por vários motivos. Por exemplo, os movimentos permitem com que os músculos façam o que ”gostam”, ou seja, contrair e relaxar. Quando isso acontece, os músculos dão um presente para suas articulações: quando são comprimidas aumentam sua resistência e quando são descomprimidas aumentam os espaços entre ossos para facilitar toda a sua nutrição. Os músculos tornam-se mais resistentes à medida que contraem e relaxam regularmente. É dessa forma que adquirimos e mantemos nossa mobilidade; somos capazes de realizar as atividades sem grandes problemas e estar preparados para os imprevistos do dia a dia e da tendência degenerativa do envelhecimento.

A atividade física leva nosso organismo a produzir, liberar e conduzir uma cascata de substâncias que atingem todo o corpo por intermédio dos vasos sanguíneos e nervos. Algumas dessas substâncias apresentam papéis importantes em promoverem bem-estar, retardar o envelhecimento e diminuir dor. Por isso os profissionais da saúde indicam a atividade física como parte integrante da rotina das pessoas, apesar de muitas vezes eles próprios não praticarem.

Atividade física como benefício

Idosos que praticam modalidades esportivas ou algum tipo de atividade física tendem a ter índices de ansiedade e depressão bem menores do que os sedentários. Pessoas que sofrem com insônia podem dormir melhor quando realizam atividade física e os efeitos negativos relacionados à perda de sono são reduzidos. Pessoas hipertensas e diabéticas encontram na atividade física uma maneira incontestável tanto preventiva quanto terapeuticamente.

Uma pessoa que está acima do peso vai ao médico com dor no joelho, recebe como orientação perder peso para reduzir a sobrecarga na sua articulação e aliviar a dor. Uma pessoa com dor no corpo inteiro que recebe o diagnóstico de fibromialgia, é estimulada pelos profissionais de saúde a fazer exercícios para ajudá-la no controle de suas dores. Um homem que trabalha o dia inteiro sentado em frente ao computador e apresenta dor no ombro é rapidamente orientado pelos colegas e profissionais de saúde a sair do sedentarismo e se matricular numa academia. Uma pessoa com dor crônica é orientada a fazer exercícios de baixo impacto e dessa forma produzir mais substancias que reduzem a dor.

Atividade física como prejuízo

No entanto tenho visto freqüentemente pessoas no meu consultório procurando a atividade física por orientações médicas e outras com dor por causa da própria atividade física. Imagine a pessoa com dor no joelho fazendo a atividade exatamente igual à de outra pessoa que não apresenta dor. Você não acha um pouco incongruente uma pessoa obesa com dor no joelho fazer caminhada para emagrecer sendo que a caminhada pode sobrecarregar mais ainda seu joelho? É muito freqüente ver uma pessoa com fibromialgia sentir mais dores após realizar atividade física, mesmos sob orientação. Eu conheço muitas pessoas que estão sedentárias há muito tempo e tentaram reiniciar alguma atividade física, mas desistiram porque sentiram muitas dores. Também é freqüente a pessoa realizar atividade física, não sentir dor, mas sentir dor em outro momento do dia fruto dos exercícios que foram realizados.

Dicas ao fazer atividade física

Eu gostaria de dizer três coisas importantes e necessárias que nem todos dizem isso para você:

- O que a maioria das pessoas e profissionais da saúde se esquece é que a maneira (pequenos detalhes) de realizar o exercício pode determinar o efeito positivo ou negativo da atividade. O exercício pode variar quanto à freqüência ou repetições, intensidade ou carga, regularidade, posicionamento do corpo para executar o exercício, duração da prática e o nível de atenção direcionada à atividade.

- Você não precisa carregar “Y” de peso e nem caminhar “X” minutos para ficar saudável. Não acredite 100% no que você ouve ou lê. Acompanhe meu raciocínio: As pesquisas dizem que as pessoas conseguem ganhar condicionamento físico se caminharem 30 minutos todos os dias. Ora, para uma pessoa que não consegue caminhar nem 10 minutos por conta de uma dor na coluna, você acha que essa informação é válida para ela? Se ela caminhar 10 minutos pode ser muito melhor do que caminhar 30 minutos.

- Aquilo que você sente deve ser dito para o profissional. Mesmo com uma dor é possível encontrar uma maneira de se exercitar e colher os frutos dessa atividade porque o exercício pode variar de muitas formas. E existe a melhor maneira de VOCÊ se exercitar NESSE MOMENTO. Talvez hoje seja de uma forma e amanhã de outra. Continuar fazendo da mesma forma atividade que gera dor é um problema. Fique atento porque atividade pode não gerar dor durante, mas pode piorar a dor depois em outras atividades. Deve haver um estudo detalhado prévio antes de desistir de uma atividade ou de continuar fazendo a atividade que mantém uma dor. Um profissional de saúde qualificado pode ajudar.

Aceitar que a atividade física apresenta benefícios e riscos ajuda você chegar mais próximo dos grandes benefícios de uma atividade. Lembre-se que profissionais qualificados podem ajudar a reduzir os riscos da atividade e você pode fazer sua parte procurando entender a relação entre risco e benefício de cada exercício.

Fonte: Rodrigo Rizzo - Portal Mapa da Dor

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Qual é o VALOR do seu atendimento?


No ultimo final de semana, durante um curso, teve uma otima discussão sobre essa questão de quanto se cobrar pelo seu atendimento.

Quando os seus pacientes perguntam isso para você, a primeira coisa que vem a sua cabeça é? PREÇO.

E pensando em preço é necessário que você saiba todos os seus custos, como aluguel, luz, telefone, funcionários, material, enfim, todos os custos fixos e variáves parra saber quanto deve ser o mínimo da sua consulta.

Se tivermos como exemplo que 1 hora do seu atendimento custe para você R$ 20,00, qual será o VALOR que será cobrado ao seu paciente? Acho que estamos entrando no assunto que mais afeta a imagem do profissional de fisioterapia, a desvalorização profissional!

Quando precificamos o nosso serviço precisamos incluir nisso a valorização do profissional, quanto que você gastou em cursos para aperfeiçoar ainda mais seu atendimento, quanto que foi investido no espaço físico que você atende para oferecer um ambiente de qualidade ao seu cliente, quanto vale o cliente ser atendido na hora marcada, sem atrasos? São alguns pequenos itens que chamamos de intangíveis, ou seja, o seu paciente não consegue por a mão nisso, mas ele tem que perceber isso. E um cliente satisfeito, bem atendido é seu melhor marketing.

O fisioterapeuta precisa saber mostrar ao seu paciente que a sua consulta tem VALOR, que cada centavo que ele te paga vale a pena. Ou seja, preço é bem diferente de valor certo?

Deixo as duas perguntas para vocês pensarem: Qual o preço da sua consulta? Qual o VALOR da sua consulta?

por Fabricia Costa - Blog Gestão em Fisioterapia

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Pilates ajuda a melhorar o desempenho

Método fortalece a musculatura, ajuda a evitar lesões e no aumento da circulação sanguínea


Durante uma corrida, os atletas sofrem grande sobrecarga, principalmente nos membros inferiores e na coluna. O impacto do contato do pé com solo durante a troca da passada provoca microlesões nas articulações do tornozelo, joelho, quadril e na própria coluna vertebral. Essas microlesões ocorrem todo o tempo, em qualquer atividade física, e variam de região conforme o exercício.

Há diversas formas de aperfeiçoar a corrida e prevenir lesões, e uma delas é o Método Pilates. Segundo a Associação Brasileira de Pilates (ABP) o exercício traz benefícios para o corpo de forma geral, sem concentrar o desenvolvimento de algumas partes do corpo e de outras não.

É possível a realização de um trabalho mais específico e personalizado para um atleta com o Pilates mantendo seus princípios básicos: centro de força, concentração, controle, precisão dos movimentos, respiração e fluidez de movimento.

No método Pilates, determinados exercícios, principalmente os feitos em aparelhos, são especialmente eficazes para identificar, organizar, equilibrar os desvios mais frequentes. Podemos apresentar diversas variações no alinhamento corporal, provocadas por posturas inadequadas, desequilíbrios musculares ou acidentes ao longo da vida.
Para os corredores, o Pilates tem diversos benefícios:

- Fortalece a musculatura sem grande aumento de massa, mantendo a leveza, tonificando a musculatura menos utilizada na corrida e prevenindo lesões devido aos desajustes;

- Ganho de flexibilidade, diminuindo os índices de lesões como estiramentos e ruptura. Melhora a circulação sanguínea e sensação de relaxamento muscular, mesmo durante a corrida.

- Trabalhos específicos de alinhamento corporal, equilíbrio e controle motor. Recrutamento de fibras musculares, criando resistência para os tipos de contração muscular isotônica excêntrica (controle de retorno do tamanho da fibra muscular), isométrica (contração muscular sem encurtamento do ventre muscular) e isotônica concêntrica (encurtamento do ventre muscular).

- Desenvolve a força dos músculos do núcleo do corpo (profundo das costas, abdome e assoalho pélvico, ajudando no suporte do tronco.  

- Aumento da concentração, redução da ansiedade e melhora na qualidade da respiração influenciando diretamente no rendimento do atleta.

Fonte: Portal Revista The Finisher

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Aspectos jurídicos (2) - Responsabilidade Civil na Fisioterapia


Conforme falamos no primeiro post sobre questões jurídicas (http://gestaoemfisio.blogspot.com/2011/06/aspectos-juridicos-na-fisioterapia-1.html), a responsabilidade do profissional de saúde é subjetiva (quando pessoa física), definida pelo art. 951 do Código Civil e pelo art 14 do Código de Defesa do Consumidor, o qual determina que "a responsabilidade pessoal dos profissionais liberais será apurada mediante a verificação de culpa". Sendo assim, nós profissionais prestadores de serviço de saúde, responderemos judicialmente pelo dano que causarmos, desde que fique comprovada a nossa culpa.

Não obstante ter a classificação como subjetiva, há ainda uma outra divisão que norteia os profissionais de saúde, que são as OBRIGAÇÕES DE MEIO E DE RESULTADO.

Nas obrigações de resultado, o profissional se compromete em dar um resultado útil em favor do seu cliente. Não ocorrendo tal resultado esperado, opera-se a responsabilidade, cabendo ao profissional comprovar a ausência de culpa e assim não ter o dever de reparar. Isso cabe aqui ao cirurgião plástico, por exemplo, que se compromete em dar um determinado resultado e não consegue. Se for processado pelo seu cliente, judicialmente ele já é considerado culpado e terá que provar o contrário.

Nas obrigações de meio, o profissional se compromete a empenhar seus melhores esforços (habilidade, tecnica, prudência) com o objetivo de dar um resultado ao seu paciente, porém a obtenção disso escapa ao seu compromisso. É aqui que entra o FISIOTERAPEUTA! Ao iniciar um tratamento com seu paciente você deve deixar bem claro todas as etapas do processo de recuperação, o que você irá empregar de técnica, fazendo tudo da melhor forma possível para alcançar o melhor resultado na recuperação dele. Na hipótese do seu cliente se sentir lesado, insatisfeito, ele deverá apresentar que houve CULPA na conduta do profissional, seja esta por imprudência, imperíca ou negligência.

É um tema meio "obscuro" para nós, profissionais de saúde em geral, mas é de FUNDAMENTAL importância para evitar surpresas desagradáveis durante sua vida profissional!

Por: por Fabricia Costa - Gestão em Fisioterapia

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Sonhar ajuda a reduzir memórias dolorosas, diz pesquisa


Durante a fase REM do sono, o cérebro consegue processar melhor as lembranças e memórias do dia


A fase do sono onde acontecem os sonhos, conhecida como REM (movimento rápido dos olhos, sigla em inglês), é importante para que o cérebro consiga controlar as memórias dolorosas. Segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley, é nesse momento do sono que uma mudança química no cérebro o ajuda a amenizar nossa sensação em relação às memórias dolorosas. 


O estudo foi publicado no periódico Current Biology. "O estágio do sonho no sono, que possui um composição neuroquímica específica, fornece uma terapia noturna", diz Matthew Walker, autor sênior do estudo.

"Sabemos que durante o sono REM há uma redução acentuada nos níveis de norepinefrina, uma substância química do cérebro associada ao stress", diz Walker. "Ao reprocessar experiências emocionais anteriores nesse ambiente químico cerebral com baixa norepinefrina durante o sono REM, essas experiências são atenuadas em sua força emocional. Nos sentimos melhor, sentimos que podemos lidar com essas emoções."

A descoberta oferece também uma explicação do por que pessoas com transtorno de stress pós-traumático (TEPT), como os veteranos de guerra, têm dificuldades em se recuperar das experiências. Segundo o estudo, esses pacientes não se beneficiam da terapia, mantendo um alto nível de stress durante o flashback, gerando um pesadelos recorrentes. 

Pesquisa — Os 35 adultos jovens que participaram do estudo foram divididos em dois grupos. Todos viram 150 imagens emocionais duas vezes, com um intervalo de 12 horas entre elas, e passaram por exames de ressonância magnética. Um grupo viu as imagens pela manhã e novamente no fim da tarde, ficando acordado no intervalo. O outro grupo viu as imagens no fim da tarde e novamente na manhã seguinte, depois de uma noite completa de sono.

Aqueles que dormiram entre a observação das imagens relataram uma redução significativa nas reações emocionais às imagens. Além disso, os exames de ressonância magnética mostraram uma redução dramática na reatividade da amígdala — região do cérebro que processa emoções, permitindo que o córtex pré-frontal (região "racional" do cérebro) recupere o controle das reações emocionais dos participantes.

Medicamento —De acordo com Walker, ele já havia sido avisado dos possíveis efeitos do sono REM em pacientes com TEPT, quando um médico de um hospital de ex-combatentes nos Estados Unidos o avisou de que uma droga usada para o controle da pressão sanguínea estava, inadvertidamente, prevenindo a recorrência de pesadelos do militares.

A melhora aconteceu porque a droga tem um efeito colateral que suprime a norepinefrina no cérebro, criando, assim, um cérebro mais livre de stress durante o REM, o que reduz os pesadelos e promove uma melhor qualidade de sono. "Isso sugere uma relação entre o TEPT e o sono REM", diz Walker.


Saiba mais:

FASES DO SONO

Estágio 1: A fase da sonolência, na qual aparecem as primeiras sensações de sono. Tem duração de um a dois minutos e a pessoa pode ser facilmente despertada.

Estágio 2: A atividade cardíaca é reduzida, os músculos relaxam e a temperatura corpórea cai. Dura, em média, de cinco a 15 minutos. A pessoa está dormindo, mas já é mais difícil acordá-la.

Estágio 3: Distingue-se do estágio 4 apenas quanto ao nível da profundidade do sono, que é menor. Os estímulos para acordar são maiores.

Estágio 4: Fase do sono mais profunda, dura cerca de 40 minutos.

Fase REM: Momento onde há uma intensa atividade cerebral – não causa um descanso profundo. Nessa fase os olhos fazem movimentos rápidos e os sonhos costumam acontecer com mais intensidade. A fase representa de 20% a 25% das horas de sono e surge em intervalos de 60 a 90 minutos. É essencial para a saúde psicológica.


terça-feira, 22 de novembro de 2011

Corrida na terceira idade

Veja como a atividade física pode ser benéfica e adequada para quem já passou dos 60 anos


Com o aumento dos participantes da melhor idade (terceira idade) em provas de 5Km, 10Km e maratonas, além de outras atividades esportivas, é importante algumas considerações sobre a fisiologia dessas pessoas, que certamente estão cada vez mais saudáveis por estarem praticando esportes.

A população idosa vem aumentando consideravelmente e a atividade física regular associada ao envelhecimento surge como um importante meio de prevenção de lesões, e promoção de saúde para esta população.

À medida que os anos passam, tendemos a ir alterando nossos hábitos de vida e rotinas diárias por atividades e formas de ocupação pouco ativas. Os efeitos dessa redução da atividade são muito sérios. Entretanto, com a atividade física regular, pode-se amenizar a velocidade com que as modificações naturais surgem.

Está comprovado que quanto mais ativa é uma pessoa, menos limitações físicas ela tem. Dentre os inúmeros benefícios que a prática de exercícios físicos promove, um dos principais é a proteção da capacidade para a realização das atividades do cotidiano ou atividades da vida diária, além de:

• Prevenir o desenvolvimento de diabetes.
• Redução dos níveis de triglicérides.
• Redução do percentual de gordura corporal. 
• Redução das alterações cardiovasculares e pulmonares.
• Redução dos riscos de trombose.
• Aumento na capacidade física, elasticidade e equilíbrio, coordenação motora e conscientização corporal diminuindo o risco de quedas. 
• Auxilio na prevenção e no tratamento da osteoporose. 
• Diminuição de dores articulares
• Melhora na imunidade, que pode diminuir a incidência de infecções. 
• Efeitos benéficos sobre a pressão arterial sistêmica.
• Redução do risco de doença coronariana e morte. 
• Atividade física facilita a interrupção do tabagismo
• Prevenir o ganho de peso. 
• Prevenção ou retardo do declínio cognitivo.
• Maior independência para realização de atividades diárias;
• Melhora da auto-estima e da autoconfiança;
• Reduz problemas psicológicos, como ansiedade e depressão
• Significativa melhora da qualidade de vida.

O tipo de exercício físico mais recomendado para pessoas acima de 60 anos no passado era o aeróbio, pelos seus efeitos no sistema cardiovascular e benefícios psicológicos. Este tipo exercício, juntamente ao alongamento, ainda se mantém entre os mais indicados e procurados nesta faixa etária enquanto exercícios de força entram em declínio. Entretanto, é necessário destacar a importância dos exercícios de força para a manutenção da força muscular, do equilíbrio, agilidade e capacidade funcional.
A prática regular da atividade física apresenta inúmeros benefícios, porém, alguns riscos devem ser considerados, sendo a avaliação clínica, levando em consideração as alterações próprias da idade, fundamental para que os benefícios sejam maximizados e os possíveis riscos minimizados. 

Qualquer indivíduo que apresente qualquer alteração de pressão arterial ou função cardiorrespiratória necessariamente precisa se submeter a um exame médico geral antes de iniciar qualquer programa de atividade física. Recomenda-se também uma avaliação cinética-funcional completa dando-se maior destaque para a força muscular, equilíbrio, postura, condições articulares, avaliação da capacidade aeróbica, além de aspectos nutricionais e nível de hidratação. 

Um programa de exercícios deve constar de aquecimento, alongamento, atividades aeróbicas e período de recuperação. O primeiro e o último períodos devem ter duração média de 20 minutos já que a pressão arterial e o nível de respiração retornam à níveis estáveis lentamente. Lembrando que a atividade deve se iniciar com esforço mínimo e progredi de forma lenta. Usar o material esportivo adequado a atividade escolhida também é muito importante. Calçados e roupas inadequados podem prejudicar a performance. Não esqueça de se hidratar e usar protetor solar.

A escolha da atividade é feita individualmente, levando-se em conta a preferência pessoal, pois não adianta fazer uma atividade que não se sinta bem praticando; a aptidão necessária, já que algumas atividades dependem de habilidades específicas e o risco associado à atividade, visto que alguns exercícios podem associar-se a alguns tipos de lesão, em determinados indivíduos que já são predispostos. 

É importante que você que tem mais de 60 anos se conscientize de que a atividade física é muito importante para seu cotidiano, pois colabora com sua saúde, agindo sobre o envelhecimento, e evitando muitas vezes a sua limitação funcional.

O envelhecimento para muitos é visto como o fim da vida, em que a pessoa idosa não tem mais condições de realizar com firmeza as tarefas que sempre executou, mas, pelo contrário, os idosos ainda têm muita vontade de viver, só lhes falta a oportunidade para isso, e através da atividade física essas pessoas podem mostrar ainda que são capazes de muito mais. 


* Por Evaldo Bósio Filho - Portal O2 por minuto

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

A História da fisioterapia, um breve relato por Shirley Sahrmann


Oi pessoal, deixo hoje o capítulo de introdução do livro "Dianóstico e Tratamento das Síndromes de Disfunção Motora" da fisioterapeuta norte americana Shirley Sahrmann. Este breve relato histórico é particularmente interessante pelo fato dela ter dividido a fisioterapia do século XX em três etapas distintas. É bem legal para se ter uma idéia de onde vieram tantos métodos de tratamento diferentes.
Segundo Sahrmann, a fisioterapia do século XX pode ser dividida em três fases , de acordo com seu enfoque principal,.

Em cada uma delas predominou o tratamento de determinado sistema anatômico, devido geralmente à prevalência de determinada deficiência física, que era causada por um problema médico específico. Conceitos básicos diferentes foram criados em cada uma dessas épocas, influenciando as características da profissão assim como os métodos utilizados.

Obviamente é uma descrição muito sucinta mas mesmo assim muito legal de se ler pra gente poder se situar no tempo e no espaço


Primeira fase: focalizando a disfunção dos Sistemas Osteomuscular e Neuromuscular Periférico.


O primeiro período compreendia o tratamento de pacientes apresentando disfunção do Sistema Neuromuscular Periférico ou osteomuscular, disfunção esta resultante da poliomielite ou dos traumatismos de guerra (tipicamente lesões de segundo neurônio motor). O exame manual da musculatura, como meio para determinar a disfunção neurológica e muscular de forma quantitativa foi fundamental para definir o papel diagnóstico da Fisioterapia. Eram realizados testes específicos, capazes de informar ao médico na avaliação do caso: o médico formulava então seu diagnóstico e definia o grau de disfunção.
A relação, de certa forma clara, entre a perda da função muscular e a disfunção motora, servia para orientar o tratamento.

A relação existente entre a destruição de unidades motoras e suas consequências, consistindo em fraqueza muscular e perda de mobilidade era nítida, porém ainda existiam controvérsias a respeito dos melhores métodos de tratamento da poliomielite, particularmente em relação à fase aguda da doença. O tratamento durante esta fase focalizava a preservação da mobilidade por meio de exercícios de alongamento e do uso de aparelhos ortopédicos. Durante a fase de recuperação, os exercícios destinados a fortalecer os músculos em recuperação ou os não afetados também constituía parte importante do tratamento. O tratamento mais eficaz compreendia determinados exercícios baseados nos resultados do exame manual da musculatura. Essas informações também eram usadas para orientar a prescrição de órteses e de outros dispositivos auxiliares. Os exercícios específicos levando em consideração cada músculo e o sentido em que atua eram elementos-chave para um bom resultado.



Segunda fase: Focalizando a disfunção do Sistema Nervoso Central


Depois da erradicação da poliomielite, a maioria dos casos atendidos pelos fisioterapeutas passou a ser de pós AVC, TCE e TRM. As deficiências que estes pacientes apresentavam eram devidas à disfunção do SNC (mais exatamente devido a lesões do primeiro neurônio motor); por isso os métodos até então utilizados pelos fisioterapeutas já não se aplicavam a estes casos. Os métodos de alongamento e fortalecimento, até então usados no tratamento da poliomielite eram considerados inaceitáveis; pois na época acreditava-se que fossem capazes de agravar a espasticidade. O exame manual dos músculos também deixou de se considerado um indicador confiável de desempenho muscular. Na época não se conheciam os mecanismos que contribuíam para a deficiência de pacientes com disfunção neurológica. A falta de unanimidade em relação aos mecanismos responsáveis pelas paresias e o tratamento mais adequado fez com que não fossem elaboradas diretrizes específicas para o tratamento de casos decorrentes de lesão disfunção do SNC .

Resultou daí a adoção de esquemas terapêuticos que se baseavam nas convicções e na experiência dos terapeutas clínicos. Esta falta de normas levou a um tratamento altamente individualizado e eclético; criou-se, infelizmente, o precedente de tratamento baseado em hipóteses pouco seguras. A relação entre o diagnóstico e o tratamento também se modificou durante este período. Os diagnósticos clínicos das doenças do SNC não se acompanhavam de normas para o tratamento fisioterápico, ao contrário do que acontecia com a poliomielite, cuja fisiopatologia era relativamente bem conhecida (neste momento acabou a moleza, não bastava mais alongar o que estava encurtado e fortalecer o que estava fraco... ficou claro que em lesões do SNC o buraco é mais embaixo).

Os fisioterapeutas procuraram explicar os mecanismos que contribuem para comprometer os movimentos. Porém as explicações nas quais se baseavam as hipótese clínicas relativas aos mecanismos terapêuticos eram vagas e mal interpretadas em vista da limitação do conhecimento daquela época (estamos falando da década de 1960). Infelizmente os mecanismos de controle motor ainda não eram bem conhecidos, da mesma forma que a fisiopatologia das disfunções motoras decorrentes de lesões do SNC. O que se tornou evidente neste período foi a importância essencial que a função reguladora do SNC possui para a motricidade. As deficiências motoras que acompanham a disfunção do SNC demonstram a importância deste último para os movimentos.


Terceira fase: Focalizando a Disfunção Articular



Durante a década de 1980, fisioterapeutas influenciados por seus colegas da Austrália e Nova Zelândia, começaram a aplicar métodos de exame e e de tratamento que visavam diretamente a disfunção das articulações como meio de tratar a dor osteomuscular. Esses métodos exigem o exame dos movimentos articulares acessórios e observação das respostas dolorosas associadas. Trata-se de um tratamento diferente do padrão adotado até então, o qual se baseava no uso de modalidades destinadas a combater o processo inflamatório e na aplicação de exercícios para fortalecer os músculos do segmento afetado. Alguns fisioterapeutas começavam também a aplicar os métodos clínicos preconizados pelo Dr. James Cyriax para identificar os tecidos que davam origem a dor. Esses métodos implicavam mudanças do papel desempenhado pelo fisioterapeuta. Até então o médico prescrevia um tratamento baseado no diagnóstico .

Na maioria dos casos encaminhados aos fisioterapeutas, este era chamado para “avaliar e tratar” , sobretudo quando o problema envolvia o SNC, ao passo que recebia geralmente uma orientação médica mais detalhada para o tratamento de dor osteomuscular (isso soa familiar não é?). Foi, portanto, uma mudança significativa quando o fisioterapeuta passou a examinar as articulações, a fim de determinar a origem da dor, ao invés de aplicar modalidades terapêuticas e prescrever um esquema geral de exercícios destinados a melhorar a capacidade funcional. A avaliação da mobilidade articular acessória representou uma mudança na filosofia da profissão: o foco passou a ser a identificação das contraturas articulares e das partes moles como causas responsáveis pela dor mediante métodos paliativos.


Fase Atual: Focalizando o Sistema Motor
Durante a década de 1990, a grande maioria dos pacientes encaminhados para os fisioterapeutas era de casos de dor osteomuscular. Por conseguinte, o tratamento desses pacientes é importante para a profissão. O tratamento deve ser considerado incompleto e inadequado quando dirigido isolado dos problemas musculares, articulares ou neurológicos. A evolução constante da fisioterapia exige que os movimentos constituam seu foco principal. O movimento resulta do ato de um sistema fisiológico que produz a movimentação do corpo inteiro ou da partes que o compõe. Esses componentes compreendem o sistema osteomuscular, neurológico, cardiopulmonar e metabólico.

Neste sentido, o livro da fisioterapeuta Shirley Sahrmann se destaca, principalmente ao enfatizar a relação entre postura, controle motor inadequado e dor de forma cientificamente embasada. É interessante perceber como a profissão está retornando às suas origens, dando novamente ênfase aos exercícios terapêuticos, só que desta vez acompanhados de um embasamento científico robusto, como é o caso da Estabilização Segmentar Vertebral - ESV, o conceito de Kinetic Control, Pilates Clínico, além das bandagens associadas a exercícios terapêuticos criados e aperfeiçoados por pesquisadores que utilizaram eletromiografia de superfície.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Gestão em Fisio: Identificando Oportunidades


Quantas vezes você já não pensou que estava diante de uma oportunidade incrível, uma idéia única, com poucos concorrentes, e que agora ia dar certo? Aposto que algumas vezes, afinal quem quer ter seu próprio negócio, quem quer empreender, acha que suas ideias devem ser simplesmente únicas e inovadoras!

E isso é um grande engano! As suas ideias não precisam ser tão inovadoras quanto você acha que seja necessário, elas simplesmente devem ser boas o suficiente para que possa agregar valor ao seu negócio, fazendo sua empresa crescer. As oportunidades sim, devem ser avaliadas e aproveitadas, pois geralmente são unicas e você não pode desperdiçar.

Quando identificarmos uma ideia sendo interessante devemos nos perguntar: quem são os clientes que comprarão esse serviço? Esse é um mercado em crescimento, estável ou estagnado? Quem são seus concorrentes? Caso não consiga responder essas questões com dados concretos, provavelmente estarão diante de apenas uma ideia e não uma oportunidade de mercado.

As boas oportunidades apresentam como características uma taxa de lucro de 10 a 15%, um alcanço do ponto de equilíbrio e fluxo de caixa positivo em menos de 2 anos, um investimento inicial baixo ou moderado, custos fixos e variáveis menores, equipe competente e comprometida, entre outros.

O que você precisa é saber identificar uma necessidade do mercado e saber como atendê-la, antes que os outros façam.

A fisioterapia é um mercado em crescimento, com avanço científico, com aumento no número de clientes, e todo mercado em crescimento começa a mostrar suas necessidades, suas falhas e vulnerabilidades.

Então, até mesmo para quem já tem seu negócio montado, avaliar e identificar novas oportunidades, novos serviços, novas parcerias, é fundamental para alcançar o crescimento desejado e consequentemente o lucro.

Isso tudo sem deixar de calcular os riscos, pois nada é tão bonito quanto parece.

Uma coisa que deve ser sempre presente em sua cabeça é o seguinte: ideias revolucionárias são raras, serviços únicos não existem e a concorrência, essa sim, sempre estará presente.

Postado por Fabricia Costa

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Mitos e Lendas da Fisioterapia - Uso de luvas com água na prevenção de Úlceras de Pressão


Olá pessoal, hoje trago o resultado de mais uma pesquisa sobre Mitos e Lendas da Fisioterapia. A lenda de hoje é sobre o uso de luvas de procedimento cheias de água na prevenção de úlceras de pressão. Infelizmente uma conduta ainda bastante popular, embora ineficaz e potencialmente danosa ao paciente.



A prevenção do surgimento de úlceras de pressão é um assunto exaustivamente pesquisado pela enfermagem, e isso não é à toa não. É muito melhor prevenir do que tratar uma úlcera de pressão. Isso tanto em termos de prevenção do sofrimento e morbidade quanto de custos com a ocupação de leito, insumos e o risco de infecção hospitalar. De fato, foi uma enfermeira que me alertou sobre os riscos do uso de luvas de água cheias de ar ou água.

Mas voltando ao assunto: Não sou só eu que digo que as luvas são contra-indicadas. O Grupo de Estudos e Pesquisa em Segurança do Paciente, da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto - USP disponibiliza algumas diretrizes de prevenção e tratamento que citam claramente que o uso de luvas com água, pele de carneiro sintética, pele de carneiro natural e almofadas tipo roda d’água ou ar NÃO devem ser utilizados para aliviar a pressão.

Esta recomendação é baseada no trabalho "Using water-filled gloves for pressure relief on heels" publicado no Journal of wound care em 1993. (infelizmente não tive acesso ao original, mas conto com a descrição em uma dissertação de mestrado da USP disponível em: http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/22/22132/tde-07102009-145047/pt-br.php e que
segue abaixo:

O autor desta pesquisa conduziu um estudo para avaliar a pressão externa exercida sobre o calcâneo quando este era apiado em duas superfícies diferentes: O próprio colchão do leito hospitalar e sobre uma Luva de látex preenchida com 260ml de água. Esta pesquisa foi feita com 40 sujeitos de um hospital geral. A pressão média na interface com o calcâneo colocado no colchão padrão hospitalar foi de 126,5mmHg e na luva d´água foi de (pasmem!) 144,6mmHg , o que representa um aumento médio de pressão de 12, 5%. Concluindo: a luva d´água não só não cumpre o papel de alívio como aumenta a pressão sobre a região apoiada.

(Williams, C. Using water-filled gloves for pressure relief on heels. Journal of wound care. London, v.2, p.345-8, 1993)

Portanto, Senhoras e Senhores, o Mito do uso de Luvas com água na prevenção de úlceras de decúbito está Detonado.


Postado por Humberto - Blog O Guia do Fisioterapeuta

terça-feira, 8 de novembro de 2011

A mecânica das articulações é como um empilhamento de pedras


Sabemos que os músculos quando contraem por muito tempo gastam muita energia, liberam ácido lático e criam tensões, podendo gerar nódulos de tensão (pontos gatilhos), fadiga e falta de coordenação para movimentar e estabilizar as articulações. Quando isso acontece significa que a pessoa está percorrendo a “rodovia da sobrecarga” indo em direção a dor.

A arte de empilhar pedras
Estava caminhando perto de uma praia em um final da tarde e encontrei um mexicano empilhando pedras. Achei que ele era louco porque estava ajustando a pontinha de uma pedra grande sobre a pontinha de outra pequena. Pensei que ele nunca iria conseguir fazer isso quando de repente, as pedras foram equilibradas de forma impressionante.

Naquele dia estava ventando muito e mesmo assim as pedras mantiveram-se em equilíbrio. Depois desse dia comecei a adotar e praticar a “arte de empilhas pedras”. Cada pedra é diferente da outra. Por isso se alguém quiser equilibrar pedras, o segredo de conseguir isso não é usando a razão. Equilibrar as pedras só é possível quando a razão cessa, abrindo espaço para a “tentativa e erro”. Somente sentindo o melhor ajuste para cada pedra é possível determinar o melhor posicionamento.

Cada vez que faço isso, novos insights aparecem para mim. E vou compartilhar com vocês um dos meus insights com as pedras. O sistema constituído pelas nossas articulações pode ser comparado com esse empilhamento de pedras.

 As articulações são como as pedras empilhadas
Cada pedra está ligada a outra, no entanto a modificação de uma delas afeta o equilíbrio de todas as outras. Um grau de modificação em uma delas faz todas desabarem no chão. Nossas articulações também estão empilhadas uma sobre as outras. Agora, porque a modificação de uma delas não leva o desabamento do corpo inteiro?

Porque temos nervos que respondem as micro-modificações e músculos que se contraem para controlar qualquer movimento.  Sabemos que os músculos quando contraem por muito tempo gastam muita energia, liberam ácido lático e criam tensões, podendo gerar nódulos de tensão (pontos gatilhos), fadiga e falta de coordenação para movimentar e estabilizar as articulações. Quando isso acontece significa que a pessoa está percorrendo a “rodovia da sobrecarga” indo em direção a dor. Se a pessoa já sente dor, a tendência é ficar perdido como eu fiquei, na “cidade da manutenção da dor”.

As pedras empilhadas não precisam de músculos para permanecer paradas, e assim não gastam energia porque aproveitam o seu posicionamento ótimo. Qual seria a sensação dessas pedras empilhadas?

Você pode sentir isso quando você estiver sentado em frente ao computador, lendo um livro ou qualquer outra posição que você deva permanece estático por mais tempo.

Sinta suas pedras empilhadas
Faça um teste, sente na beirada da cadeira. Primeiro ponto importante para desfrutar dessa experiência é sentar em uma cadeira com os joelhos abaixo da linha do seu quadril e as solas dos pés completamente no chão. Para isso adéqüe a altura da cadeira se necessário. Coloque algum apoio embaixo das solas dos seus pés quando necessário. Role sua bacia e sinta dois ossos, um de cada lado, rolando sobre o assento.

Enquanto estiver rolando a bacia, sinta todo o seu corpo. Note os apoios dos seus pés, sua coluna, seus ombros e sua cabeça. Agora pare em um extremo do movimento, sinta as tensões e posições de todas as outras partes que você observou anteriormente. Vá para o outro extremo e sinta o mesmo. Provavelmente os extremos criam tensão demasiada, então enquanto você rola a bacia, note qual seria a posição em que você sente todos os seus ossos empilhados como as pedras. Uma posição que você sente uma necessidade mínima de contração dos músculos. Com a prática sua sensibilidade e percepção vão sendo refinadas e você poderá encontra posições das “pedras empilhadas” com mais freqüência e com facilidade.

Fonte: Rodrigo Rizzo - Mapa da Dor

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Profisio Esportiva


Agora durante o V Congresso Brasileiro da Sociedade Nacional de Fisioterapia Esportiva (SONAFE) em Maceió será lançado o programa de Educação Continuado chamado PROFISIO - Programa de Atualização em Fisioterapia Esportiva e Traumato-Ortopédica da Editora Artmed em parceria com a SONAFE,  o programa consta de 4 livros anuais escritos por vários especialistas nos mais diversos assuntos relacionados a Fisioterapia Esportiva e Ortopédica.

Ao final de cada capítulo existe uma lista de perguntas e respostas para  maior assimilação do conteúdo, o inscrito conta ainda com direito a consultar todo conteúdo e-learning (internet) do Grupo A, onde estão todos o banco dos demais PRO (medicina, odonto e enfermagem).


quinta-feira, 3 de novembro de 2011

PILATES AJUDA A COMBATER A FIBROMIALGIA E A OSTEOPOROSE

A fibromialgia e a osteoporose são mais comuns em mulheres



Pilates. Esta novidade que chegou ao Brasil, no início dos anos 90, continua sendo sucesso e sinônimo de equilíbrio e bem-estar. Este exercício que trabalha a respiração, a postura, o equilíbrio, a flexibilidade, além do fortalecimento muscular e controle motor, pode ser fundamental no auxílio ao tratamento de duas doenças: a fibromialgia e a osteoporose.

Para quem não conhece muito bem, essas doenças atingem mais mulheres que homens. A fibromialgia é uma síndrome complexa que se caracteriza principalmente pela existência de dores generalizadas em todo o corpo, cansaço extremo, perturbações no sono e alterações emocionais. Ela afeta, em sua maioria, mulheres que estão entre os 30 e 60 anos. Já a osteoporose é caracterizada por uma redução silenciosa da massa óssea e aumento do risco de fraturas. As mulheres são mais susceptíveis em função da menopausa e do sedentarismo.

De acordo com a fisioterapeuta Andréa Regina de Oliveira, da Associação Brasileira Beneficente de Reabilitação (ABBR), o Pilates pode contribuir para a melhoria dos sintomas da fibromialgia. Ela explica que a prática do exercício, associada à respiração, promove o alívio da dor pela redução da tensão muscular, do aumento da flexibilidade, da melhora da postura, da coordenação motora e da força muscular.

“A técnica promove a liberação de hormônios e neurotransmissores, que auxiliam na redução da ansiedade, promoção da sensação de bem estar e ganho na qualidade do sono”, completa.

Ainda segundo a fisioterapeuta, na osteoporose a prática do Pilates melhora o equilíbrio, a coordenação motora, a capacidade do indivíduo de reconhecer a localização espacial do corpo e concentração para realizar atividades da vida diária.

“É uma importante ajuda para reduzir o risco de queda, além de auxiliar no aumento da densidade mineral óssea, devido ao trabalho de fortalecimento muscular”, disse Andréa Regina.

Fonte: Portal Sua Dieta

terça-feira, 1 de novembro de 2011

Quais são os três grandes objetivos da terapia em pessoas com dor crônica?

O mais óbvio de todos é diminuir ou eliminar a sensação de dor. O segundo objetivo, não é tão evidente como o primeiro, nem para o cliente e nem para os terapeutas. Refere-se...

Existem três principais objetivos que uma pessoa com dor persistente busca em um processo terapêutico.

Primeiro
O mais óbvio de todos é diminuir ou eliminar a sensação de dor. Sabe-se que os aparelhos utilizados na fisioterapia têm seus efeitos muito reduzidos na maioria dos casos de dores crônicas. As técnicas de terapia manual, reeducação dos movimentos e posturas apresentam melhores resultados para reduzir e eliminar a sensação de dor. Já hipnoterapia pode utilizar técnicas de analgesia e alteração das submodalidades sensoriais relacionadas à dor (como símbolos, temperatura, cor, forma, por exemplo...). No entanto isso ainda parece ser insuficiente na maioria das pessoas com dor crônica porque os outros dois grandes objetivos não foram ainda atendidos.

Segundo
O segundo objetivo, não é tão evidente como o primeiro, nem para o cliente e nem para os terapeutas. Refere-se em reduzir o sofrimento causado pela dor. Uma pessoa que já passou por vários profissionais tende estar frustrada; a pessoa com dor crônica sente-se incapaz de lidar com a dor; é comum encontrar pessoas que apresentam dúvidas e preocupações sobre o quê exatamente está acontecendo com ela; o medo gera ainda mais desconforto; o sono e suas relações sociais e profissionais estão sendo prejudicadas cada vez mais. Esses e muitos outros aspectos geram sofrimento e o sofrimento aumenta a intensidade da dor e leva à incapacidade cada vez maior. Para isso outras estratégias terapêuticas devem ser utilizadas por todos os profissionais de saúde que lidam com pessoas com dor crônica. Sejam eles fisioterapeutas, psicólogos, hipnoterapeutas médicos, enfermeiros entre outros. Estratégias destinadas a eliminar qualquer interferência relacionada às crenças, atitudes e motivações que possam impedir a melhora da pessoa. Estratégias que “ascendem” os recursos (os pontos fortes) da pessoa com dor crônica.

Terceiro
O terceiro objetivo do cliente é reduzir a incapacidade que a dor vem causando na sua vida. Algumas pessoas não conseguem mais realizar atividades rotineiras e simples como agachar, outras apresentam dificuldades de dormir, por exemplo. Muitas não podem mais fazer o que lhe davam prazer e tem dificuldades de fazer suas necessidades profissionais e familiares. Estratégias de alivio da sensação de dor podem facilitar a execução de atividades que antes eram limitadas pela dor. No entanto é possível facilitar a execução das atividades sem ao menos interferir na intensidade de uma dor. Como? Imagine que uma pessoa tem dor há 2 anos não coluna lombar e não consegue levantar da cadeira sem apoiar suas mãos. Parte dessa incapacidade está relacionada com o medo de sentir dor e parte está relacionada ao posicionamento desvantajoso adotado por essa pessoa ao levantar da cadeira. Se o terapeuta conduzir a pessoa a uma descoberta de melhores posicionamentos e utilizar estratégias para quebrar o medo desse movimento, a pessoa vai conseguir realizar algo importante para ela.

O interessante é que a pessoa no inicio, pode dizer que a intensidade da dor continua igual, mas agora pode realizar muito mais atividades. Depois de um tempo uma cascata de eventos positivos podem ocorrer tais como, aumento da motivação, mais confiança em sua recuperação e redução da dor devido aos benefícios dos próprios movimentos.

É importante ressaltar que a conquista de um desses objetivos através do processo terapêutico, auxilia a conquista dos outros. No entanto a dor crônica difere-se de uma dor aguda que é mais simples e fácil controlar. A dor crônica foi desenvolvida e é mantida por um leque muito maior de fatores e por isso o terapeuta dificilmente obterá sucesso se focar em um único objetivo.

Se você é profissional da saúde identifique se suas intervenções estão congruentes com todos esses objetivos. Se não estiver, crie e desenvolva novas habilidades para cumprir cada um desses objetivos. Se você apresenta dor crônica, identifique e busque estratégias destinadas a cada um desses objetivos. Os resultados serão mais rápidos e mais duradouros.

Fonte: Mapa da Dor - Rodrigo Rizzo

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Gestão em Fisioterapia - Planejamento Financeiro - Margem de Contribuição

Vamos falar mais uma vez sobre uma questão financeira do seu negócio.

Quando montamos o nosso mix de serviços, ou seja, os serviços que iremos oferecer no nosso consultório/clínica precisamos saber quanto cada um desses serviços irá custar e quanto irá trazer de lucro para o nosso caixa.

Para isso você precisa conhecer exatamente seus custos fixos e variáveis, pois o cálculo do lucro sobre cada serviço depende dessas informações.

Chamamos de MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO a diferença gerada entre o preço de venda e os custos fixos e custos variáveis referente a essa venda. Complicou? Vamos lá, se colocarmos numa fórmula simples ficaria assim:

Margem de contribuição = Valor da venda -(custos fixos + despesas variáveis)

Vou tentar exemplificar isso de uma forma prática: Um serviço de RPG, que custa R$ 80,00/hora, e nessa clínica o custo fixo de 1 hora da sala é de R$15,00 e tem como despesa variável o percentual repassado ao profissional de 30%. Qual será a margem de contribuição desse serviço no caixa da clínica?
                                                    MC= 80 -(15+24) = 41

Sendo assim, cada atendimento de RPG rende à clínica R$ 41,00 de margem de contribuição, ou seja, mais de 50%.

Essa é a ferramenta fundamental que deve ser usada pelos gestores para a tomada de decisões dentro da empresa. Por exemplo, caso você queira oferecer um desconto ao seu cliente é de fundamental importância que conheça esses valores sobre cada serviço que oferece, para fazer com que isso não influencie de forma ruim no seu fluxo de caixa, afetando também a cobertura dos seus custos fixos.

Uma outra importância prática desse cálculo é que você pode descobrir que está oferecendo um serviço que não te dá um retorno conforme o esperado, e a melhor estratégia poderia ser a suspensão desse serviço, ou então aumentar seu valor de venda. Cuidado para não querer aumentar as vendas desse serviço, pois isso poderá gerar prejuízo no seu caixa...

Enfim, podem até achar complicado, difícil de fazer isso, mas se você tem seu próprio negócio e quer fazer ele dar certo não tem muita saída... Arregace as mangas e vamos calcular!

Fonte: Fabricia Costa

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Cervicalgia

Saiba mais sobre a causa e o tratamento desta doença, que atinge até 30% da população adulta

Cervicalgia é definida como qualquer dor, com ou sem rigidez articular (perda de mobilidade), que acomete da base do crânio (articulação atlanto-occipital) até a transição entre coluna cervical e coluna dorsal (torácica) região de C7-T1. Está presentes em cerca de 30% da população adulta, sendo mais comum em mulheres de 30 a 50 anos.

Os fatores que podem vir a gerar dores cervicais são diversos, sendo os mais comuns: postura inadequada, posição imprópria durante o sono, bolsas pesadas com suporte nos ombros, sentar em cadeiras com braços elevados, estresse psicológico e durante atividade profissional, hérnias cervicais, lesões e fraturas das vértebras cervicais, tumores, histórico de doenças reumáticas.

As dores podem irradiar para a região dos ombros, principalmente na região próxima do músculo trapézio e região dorsal. Quando isso ocorre, ela recebe o nome de cervicodorsalgia. Muitas vezes as dores irradiam também para antebraço e braço em consequência de compressão das raízes nervosas que têm origem na região cervical (Plexo Braquial). Nesses casos, é possível que a dor venha acompanhada de déficit motor e/ou sensitivo por pinçamento das raízes nervosas. Quando isso ocorre, a cervicalgia recebe o nome de cervicobraquialgia.

O Diagnóstico da cervicalgia é feito através de uma avaliação bem elaborada com exames de imagem (Raio X e Ressonância Magnética), exames e testes neurológicos (Testes de reflexos e sensibilidade) e informações clínicas com o fim de identificar o tipo da dor, como ela acontece, que momento do dia ela ocorre e com qual gravidade e frequência ela aparece.

O tratamento fisioterápico é direcionado inicialmente para diminuir as dores. Assim que o paciente apresenta uma boa resolução do quadro álgico, dá-se início ao trabalho sobre a causa das dores. Diversas técnicas e terapias são utilizadas para o tratamento, como: terapia manual (mobilização e manipulação), recursos de eletrotermofototerapia, exercícios para alongamento e fortalecimento, atividades posturais como a Reeducação Postural Global (RPG), são tratamentos com grande eficácia para esse acometimento da região cervical

Após a resolução dos problemas cervicais, os pacientes devem ser orientados a mudarem alguns hábitos e tomar mais cuidado com posturas do dia a dia, afim de evitar novas recidivas de dores ou problemas cervicais.

Fonte: Portal O2 por minuto

Dormir pouco pode levar adolescente a ganhar peso

Estudo mostrou que os jovens que dormiam menos de sete horas tinham índice de massa corporal maior

Dormir menos de sete horas por dia pode estar relacionado ao ganho de peso em adolescentes, segundo sugere um estudo apresentado durante o Encontro Anual do American College of Chest Physicians, que reúne médicos especializados no sistema cardiorrespiratório.

CONHEÇA A PESQUISA

Onde foi divulgada: Encontro Anual do American College of Chest Physicians
Quem fez: Lata Casturi e Radha Rao
Instituição: Centro de Medicina do Sono Baylor College, no Texas
Dados de amostragem: 255 adolescentes – 108 meninos e 147 meninas

Resultado: O estudo mostra que jovens que dormem menos de sete horas por dia têm índice de massa corporal (IMC) maior
O estudo, realizado por pesquisadores do Centro de Medicina do Sono Baylor College, no Texas, acompanhou 255 adolescentes – 108 meninos e 147 meninas. Os participantes forneceram dados sobre os hábitos de sono, como a quantidade de horas que dormiam durante a semana e no fim de semana, além do peso e da altura para o cálculo do índice de massa corporal (IMC).

Entre os meninos, os resultados indicaram que eles dormiam, em média, 6 horas e 32 minutos durante a semana e 9 horas e 10 minutos nos finais de semana. Já as meninas dormiam cerca de 6 horas e 30 minutos nos dias de semana e 9 horas e 22 minutos nos finais de semana. Os pesquisadores, então, compararam os garotos que dormiam mais de sete horas com os que dormiam menos. Eles perceberam que o IMC daqueles que dormiam pouco foi 3,8% maior do que os que dormiam mais. Ao realizar a mesma comparação entre as meninas, o IMC foi 4,7% maior.

Segundo os pesquisadores, o problema pode estar relacionado diretamente com os hormônios grelina e leptina, que regulam as sensações de fome e saciedade. "Quando você não dorme o suficiente, o nível de leptina cai, o que quer dizer que você não fica satisfeito quando come. A falta de sono também aumenta os níveis de grelina, o que estimula o apetite, e faz com que as pessoas queiram comer mais", afirma Radha Rao, coautora da pesquisa.

"Os adolescentes que dormem menos de oito horas também podem consumir mais calorias do que aqueles que dormem mais que oito horas (pelo menos oito horas de sono são recomendadas pelos médicos). Portanto, eles têm um maior risco para a obesidade e problemas de saúde associados, incluindo pressão arterial alta, doença cardíaca e derrame", disse Lata Casturi, autor do estudo. Além do ganho de peso, falta de sono durante a adolescência pode resultar em maus hábitos de sono na idade adulta e trazer consequências a longo prazo para a saúde. "O sono promove o crescimento de crianças e adolescentes e fortalece o sistema nervoso e imunológico", disse Rao.

"Quando os adolescentes não dormem o suficiente, eles dormem na sala de aula, têm problemas para se concentrar, mais chances de ficarem estressados e também mais propensos a adoecerem e a não cumprir com as obrigações devido ao cansaço", afirmou Casturi. De acordo com os pesquisadores, os pais devem ensinar bons hábitos de sono aos filhos desde o início da vida. Entre as recomendações estão a definição de um horário de sono regular, desligar dispositivos tecnológicos à noite e evitar cafeína e a prática de exercícios na hora de dormir.

Fonte: Revista Veja